WWW.MALVINAS-NEWS.BLOGSPOT.COM.BR

WWW.MALVINAS-NEWS.BLOGSPOT.COM.BR

INTEGRAÇÃO COM Á NOTÍCIA CEARÁ NEWS 7 / MALVINAS NEWS

INTEGRAÇÃO COM Á NOTÍCIA CEARÁ NEWS 7 / MALVINAS NEWS
Conexão Brasília - Ceará - Com o Jornalista Donizete Arruda

IMAGEM DO DIA

IMAGEM DO DIA

COLUNA GERAÇÃO 80

COLUNA GERAÇÃO 80
Vídeos com Artistas que Fizeram Sucesso, na Década de Ouro do Rock Nacional. #geração 80 no facebook

Acerte Seu Relógio

Curta - nos no Facebook

SEJAM BEM VINDOS

domingo, 21 de dezembro de 2014

Ex-gerente da Petrobras diz ter alertado pessoalmente a Graça Foster sobre corrupção

Malvinas News Nosso portal de notícias
Brasil

gloriamaria (Foto: reproducao tv)

Venina Velosa da Fonseca concede primeira entrevista 

sobre as denúncias de corrupção que ela afirma

 ter feito à direção da empresa. (Foto: Dvulgaçao Rede Globo)

O Fantástico mostra com exclusividade a entrevista com a principal personagem das novas denúncias de corrupção que envolvem a Petrobras.
A ex-gerente Venina Velosa da Fonseca diz que muitos funcionários da empresa têm conhecimento das irregularidades. E convocou todos eles a também denunciarem.
Venina confessa que tem medo mas que vai até o fim. E assegurou que a atual presidente da estatal, Graça Foster, foi informada das irregularidades não só por email, mas, também, pessoalmente.
A ex-gerente da Petrobras Venina Velosa, que vem fazendo inúmeras denúncias sobre irregularidades nos negócios da empresa, aceitou conversar com o Fantástico.
Venina Velosa, que vem fazendo inúmeras denúncias sobre irregularidades na empresa, aceitou conversar com o Fantástico.

Glória Maria - A senhora prestou depoimento ao Ministério Público, inclusive entregou inúmeros documentos que comprovariam irregularidades na Petrobras. Desde quando começou a fazer as denúncias?

Venina Velosa - Desde que eu percebi que havia irregularidades na minha área. Isso aconteceu em 2008. Desde 2008 eu venho fazendo essas... Eu venho reportando esses problemas aos meus superiores, o que culminou agora eu realmente estar levando essa documentação toda ao Ministério Público.

Glória Maria - Que tipo de irregularidades a senhora constatou ou verificou nos contratos da Petrobras?

Venina Velosa - São vários tipos. Irregularidades de pagamento de serviços não prestados, de contratos que aparentemente estavam superfaturados. De negociações que eram feitas onde eram solicitadas comissões para aquelas pessoas que estavam negociando e uma série de problemas que feriam o código de ética e os procedimentos da empresa.

Glória Maria - A senhora informou a que funcionários, a que pessoas da Petrobras sobre irregularidades?

Venina Velosa - A todos os meus superiores. Informei ao gerente executivo, aos diretores e até a presidente da empresa.

Glória Maria - A senhora poderia dar nomes?

Venina Velosa – Com certeza. Num primeiro momento, em 2008, como gerente executiva, eu informei ao então diretor Paulo Roberto Costa. Informei a outros diretores, como a Graça Foster. E, em outro momento, como gerente geral, eu informei aos meus gerentes executivos, Jose Raimundo Brandão Pereira e o Abílio, que era meu atual gerente executivo. Informei ao diretor Cosenza. Tanto quanto diretor, como ele era meu par, como gerente executivo. Informei ao presidente Gabrielli. Informei a todas a pessoas que eu achava que podiam fazer alguma coisa para combater aquele processo que estava se instalando dentro da empresa.

A atual presidente da Petrobras, Graça Foster, é funcionária de carreira da empresa, onde já trabalhou como diretora de gás e energia. Graça assumiu a presidência em fevereiro de 2012.

Ela substituiu Sérgio Gabrielli, que estava no cargo desde julho de 2005. No organograma de Petrobras também estava Paulo Roberto Costa, que chefiou a diretoria de abastecimento de 2004 a 2012. Ele assinou um acordo de delação premiada, para contar o que sabe em troca de uma possível redução da pena. Hoje, cumpre prisão domiciliar. A diretoria de abastecimento é atualmente comandada por José Carlos Cosenza. Nesse mesmo setor ainda trabalha o gerente executivo Abílio Paulo Pinheiro Ramos.

Já outro gerente executivo, José Raimundo Brandão Pereira, foi destituído em abril deste ano.

Glória Maria - A atual presidente da Petrobras, Graça Foster, diz que que a senhora mandou e-mail, mas que ela não teria entendido o que era. A senhora fez denúncia através de e-mail ou esteve com ela pessoalmente?

Venina Velosa - Eu estive com a presidente pessoalmente quando ela era diretora da área de gás e energia. Naquele momento, nós discutimos o assunto. Foi passada documentação para ela sobre processo de denúncia na área de comunicação. Depois disso, a gente... Ela teve acesso a essas irregularidades nas reuniões da diretoria executiva.

Entre os documentos a que Venina se refere, ela entregou ao Fantástico um e-mail que enviou a Graça Foster em outubro de 2011: “Eu gostaria de estar aí, conversando com você, olhando direto nos seus olhos para você sentir o que eu quero dizer, mesmo correndo o risco de chorar na sua frente. Vou escrever mesmo sabendo que existe a possibilidade de você ir na sala do diretor Paulo Roberto e de ele depois me questionar o que fui fazer na sua sala. Vou falar em nome da mulher que exige respeito, e que vai lutar até o fim, para que um dia suas filhas jamais digam: ela se cansou, ela desistiu no meio do caminho”.

No e-mail, Venina pergunta: você faria diferente? E segue:  hoje, eu posso dizer que estou praticamente sozinha na empresa.

Venina explica que escreveu para Paulo Roberto Costa porque estava se sentindo humilhada e assediada - e que reiterou que jamais o traiu e que tudo o que fez foi para atender as normas e o código de ética da Petrobras.

Venina também escreveu que, do imenso orgulho que tinha da empresa, passou a sentir vergonha. Disse que técnicos brigavam por novas formas de contratação, melhorias nos contratos e o que acontecia era o esquartejamento do projeto e licitações sem aparente eficiência.

Na mensagem, Venina ainda afirmou a Graça Foster: gostaria de te apresentar parte da documentação que tenho. Parte dela eu sei que você já conhece.

E terminou dizendo: gostaria de te ouvir antes de dar o próximo passo. Não quero te passar nada sem receber um sinal positivo da sua parte.

Glória Maria - O que é esquartejamento de projetos?

Venina Velosa - Você tem uma refinaria, são várias unidades que são construídas. Então você tem várias formas de fazer a contratação. A depender da forma que você faz a contratação, você facilita ou dificulta a fiscalização. Em nenhum momento, se não houve a compreensão do que eu estava falando, fui chamada a dar esclarecimento a respeito do assunto. Então teve esse momento e teve agora, no fim da minha gestão em Cingapura, onde eu fiz relatório de tudo que aconteceu na minha área de gestão.
Glória Maria - A Graça diz que ela só recebeu este ano um relatório, denúncia da senhora. É verdade?
Venina Velosa - Os e-mails que eu fiz para ela já foram publicados e a documentação adicional já foi entregue ao Ministério Público.

Glória Maria - Ela diz que não entendeu o que a senhora disse na época, o que a senhora acha disso?

Venina Velosa - O que eu posso falar é o seguinte: se falar que irregularidade na área de comunicação é problemas na licitação. Se isso não está suficientemente claro, eu, como gestora, posso falar o seguinte: eu buscaria uma explicação, principalmente por uma pessoa que eu tinha muito acesso. Nós tínhamos muito acesso. Eu conhecia a Graça na época que ela era gerente de tecnologia, na área de gás, e era gerente do setor na área de contratos. Éramos próximas. Então, ela teria toda liberdade de falar: Venina, o que está acontecendo.

Segundo uma reportagem publicada há nove dias pelo jornal Valor Econômico, em 2008 Venina descobriu que contratos para pequenos serviços chegaram a R$ 133 milhões entre janeiro e novembro daquele ano, ultrapassando, em muito, os R$ 39 milhões previstos.

Segundo o jornal, Venina procurou Paulo Roberto Costa e no encontro, segundo a gerente, o então diretor de abastecimento apontou o dedo para o retrato do presidente Lula e perguntou se ela queria derrubar todo mundo.

Venina encaminhou a denúncia ao então presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli,  e instalou uma comissão para apurar o caso. O responsável pela investigação era Rosemberg Pinto, então assessor especial de Gabrielli e hoje deputado estadual na Bahia, pelo PT.

A comissão apurou que foram pagos R$ 58 milhões em contratos de comunicação para serviços não realizados.

E identificou notas fiscais com o mesmo número para diversos serviços, num total de R$ 44 milhões.

O diretor da área de comunicação, Geovanni de Moraes, chegou a ser demitido. Mas, segundo a reportagem, uma licença médica impediu que ele fosse desligado imediatamente. E Geovanni ficou mais quatro anos na empresa.

Glória Maria - A senhora relatou também um encontro com o atual delator de toda essa história de corrupção da Petrobras, Paulo Roberto, no qual a senhora apresentou várias denúncias e que ele teria tido a reação de dizer ‘você quer derrubar o governo’ e teria apontado para uma foto do presidente Lula. O que aconteceu exatamente?

Venina Velosa - Esse evento aconteceu quando eu fui apresentar o problema que ocorreu na área de comunicação. Eu cheguei na sala dele e falei: olha, aqui tem só amostra do que está acontecendo na área. Eram vários contratos de pequenos serviços onde nós não tínhamos conhecimento do tipo de serviço, do que estava sendo prestado, mas mostrava esquartejamento do contrato. Aí, naquele momento, eu falei: eu nunca soube nada disso, estou sabendo isso agora e acho que é muito sério e temos que tomar atitude. Aí ele pediu que eu procurasse o gerente responsável e pedisse para que ele parasse. Aí eu falei: ele já fez, não tem como eu chegar agora e falar: vamos esquecer o que aconteceu e vamos trabalhar diferente. Existe um fato concreto que tinha que ser apurado e investigado. Aí, nesse momento, ele ficou muito irritado comigo. A gente estava sentado na mesa da sala dele, ele apontou para o retrato do Lula, apontou para a direção da sala do Gabrielli e perguntou: você quer derrubar todo mundo? Aí eu fiquei assustada e disse: olha, eu tenho duas filhas, eu tenho que colocar a cabeça na cama e dormir. No outro dia, eu tenho que olhar nos olhos delas e não sentir vergonha.
Glória Maria - Eu pergunto, você quer derrubar todo mundo?
Venina Velosa - Não. O que eu quero é uma empresa limpa. O que eu quero é que os funcionários da Petrobras possam sentir orgulho de trabalhar nessa empresa. O que eu não quero é ouvir o que a gente ouve quando entra no táxi e fala assim: o senhor pode me deixar ali na Petrobras? Aí vem a brincadeira: você vai lá pegar seu trocado? Eu não quero isso. O corpo técnico não merece isso. Por isso é que eu estou aqui passando por todo esse desgaste, que não é pequeno, para a gente conseguir reerguer essa empresa novamente.

Glória Maria - Por que que a senhora pediu ajuda à atual presidente Graça Foster, que era diretora de energia e gás, para redigir relatório sobre irregularidade na Petrobras.  Que irregularidade a senhora apontava?

Venina Velosa - Na verdade, o que aconteceu: durante esse processo todo da comunicação eu fui muito assediada, fui muito pressionada. O tempo todo tinham assistentes do presidente, assistentes dos diretores na minha sala falando: "tem muita gente envolvida, você não pode tratar essa questão dessa forma”. Então, quando a gente conduziu todo o processo, eu tinha que formatar, fazer um documento final para que ele fosse encaminhado às áreas que teriam que tomar as ações. Na verdade, o que estava ocorrendo era uma pressão grande para que isso não fosse feito. Aí, eu fui lá não para pedir para formatar. Foi para falar o seguinte: o que que eu faço? Para quem que eu mando? Diretor? Na verdade, era para pedir conselho. O que eu fiz foi emitir documento para a diretoria, que é quem teria que tomar as ações, copiando o jurídico, porque o jurídico teria ações ali, e o diretor de abastecimento.

Glória Maria - A senhora diz que vem recebendo várias ameaças, inclusive com arma apontada para sua cabeça, que as suas filhas vêm sendo ameaçadas. O que está acontecendo?

Venina Velosa - Depois que eu apurei essa questão da área de comunicação, depois desse processo todo da área de comunicação, a gente recebeu várias ameaças por telefone. As minhas filhas deveriam ter 5 e 7 anos. Eram bem novas. Teve outros momentos mais difíceis. A opção que eles fizeram em 2009 foi realimente me mandar para o lugar mais longe possível, isso está entre aspas, onde eu tivesse o menor contato possível. Com a empresa, aparentemente eu estaria ganhando um prêmio indo para Cingapura, mas o que aconteceu foi que realmente quando eu cheguei lá me foi dito que eu não poderia trabalhar, que eu não poderia ter contato com o negócio, era para eu procurar um curso. 

Gloria Maria - Existem ainda dentro da empresa pessoas envolvidas com o esquema de irregularidades?

Venina Velosa - Se você chamar irregularidade é amplo. Eu diria o seguinte: se eu tenho como processo subordinada a mim, como a gente conversou sobre bunker, você tem claramente desvios tem compra de combustível superfaturada, você tem discussão de prêmios envolvendo negociações e você não tem as medidas consideradas compatíveis com esse nível de atividade, talvez ... Alguma irregularidade esteja associada.
Gloria Maria - Existem documentos internos da Petrobras que mostrariam que a senhora teria assinado aditivos pra acelerar a inauguração da refinaria de Abreu e Lima. É verdade?
Venina Velosa - Nenhuma área de negócio, não só a minha, nenhum gerente executivo, não só eu assino contrato ou aditivo, todos os contratos ou aditivos, todos esses contratos são negociados e assinados pela área de serviços.
A refinaria Abreu e Lima está sendo construída em Ipojuca, na região metropolitana do Recife, em Pernambuco. As instalações serão usadas, principalmente, para a produção de óleo diesel. Quando projeto foi lançado, em 2005, no governo Lula, o orçamento inicial era de menos de dois bilhões e meio de dólares. Mas o custo total da obra deu um salto enorme e, agora, deve passar dos 20 bilhões de dólares. Esse valor é quase seis vezes maior do que todo o dinheiro gasto com a construção dos 12 estádios da Copa do Mundo.
Glória Maria - Existe uma mensagem da senhora para o Paulo Roberto na qual a senhora faz agradecimento pelo crescimento na sua carreira e menciona que estava vivendo situação de conflito pela possibilidade de fazer coisas fora do código de ética e diz que teve dialogo caloroso e tenso e foi chamada de covarde por querer pular fora do barco. Isso significa que em algum momento a senhora foi cúmplice? Ou atuou junto?
Venina Velosa - Eu trabalhei junto com Paulo Roberto, isso eu não posso negar. Na diretoria de abastecimento, a partir de 2005. Eu diria que, de 2005 a 2006, foi um trabalho muito voltado para melhoria da gestão de abastecimento, que culminou no Prêmio Nacional de Responsabilidade. Eu trabalhei com Paulo Roberto, esse documento se refere à época desse problema da comunicação onde eu falei quando começamos a trabalhar, eu falo isso para todos que sou subordinada. Eu só trabalho mediante os procedimentos e código de ética. Não trabalho se tiver que contrariar isso, então, quando começou a acontecer, foi o caso do desvio da comunicação. Então o que eu quis dizer foi : você está me assediando, eu não vou fazer isso. E o desgaste foi muito grande e a história toda já foi contada, em momento nenhum eu cedi.

Gloria Maria - Quer dizer que a senhora nunca participou de esquema com Paulo Roberto?

Venina Velosa - Se eu tivesse participado de algum esquema, eu não estaria aqui hoje. Eu não teria feito a denúncia, não teria ido ao MP, entregue o meu computador com todos os documentos que eu tenho desde 2002.Eu não teria feito isso.

Glória Maria - Em nota, a Petrobras diz que afastou a senhora por atitudes fora da ética e fora das normas da empresa.

Venina Velosa - Na verdade, as atitudes não foram fora da ética nem fora da norma, foram atitudes pouco corriqueiras para um empregado que quer ver as coisas sendo feitas da forma correta. Por um empregado que quer denunciar escrevendo. Eu escrevi, eu não entrei na sala e falei, eu registrei. Quando eles falam que eu estou fazendo uma coisa fora do código de ética, denunciar irregularidades é fora do código de ética?

Glória Maria - Você tem uma família. Ou tinha. Foi para lá com filhos e marido? Depois disso tudo que aconteceu, como está a sua vida?

Venina Velosa - Eu tinha uma família, sim. Um apartamento, marido, duas filhas. A minha mãe. Simplesmente o que eles fizeram foi me afastar do meu país, das empresas que eu tanto gostava, dos meus colegas de trabalho. Eu fui para Cingapura, eu não vi minha mãe adoecendo. Minha mãe ficou cega, transplante de coração, eu não pude acompanhar minha mãe. Meu marido não pôde mais trabalhar, ele teve que retornar. Eu fui o tempo todo pressionada para fazer coisas que não eram dentro do código de ética da empresa. A única coisa que me sobrou foi meu nome. E quando eu vi que eles colocaram meu nome associado a coisas que eu não fazia, eu chamei minhas duas filhas e falei: ou eu reajo e tento fazer, limpar meu nome, ou vou deixar isso acontecer, a gente vai ter uma certa tranquilidade agora e o trator vai passar por cima depois. O que nós vamos fazer? Minhas filhas falaram: vamos reagir.

Glória Maria – Existe uma denúncia também na Petrobras de que a senhora teria beneficiado seu ex-marido com contrato, que a senhora teria feito contrato dentro da empresa pra ele. É verdade isso?

Venina Velosa - Na verdade, foram dois contratos: um em 2004 e outro 2006. Eu me casei em 2007. E a condição para assumir o relacionamento é que o contrato de 2007 fosse descontinuado.E isso foi feito.
Gloria Maria - O contrato foi anterior ao casamento?
Venina Velosa - Foi anterior ao casamento. No momento que a gente assumiu a relação, a condição foi: vamos interromper esse contrato porque tem uma questão de ética dentro da Petrobras e eu não posso continuar. Isso foi feito com parecer jurídico. Agora, só quero deixar bem claro que a empresa é muito competente, não fui só eu que fiz, a atual presidente quando trabalhava na diretoria de TVG também assinou contrato com ele. Depois, em 2008, também assinou contrato com a empresa para fazer integração dos modelos de gestao das termoelétricas. Ela fez isso com base nas características técnicas da empresa da mesma forma que eu fiz antes de casar. E depois de casar, interrompemos o contrato.  

Glória Maria - Você vai até o fim? Você tem medo?

Venina Velosa - Eu vou até o fim, sim. Eu também tenho muito medo sim. Eu não posso falar que eu não tenho porque no momento que você denuncia, em vez de você ver respostas para denúncias, você vê simplesmente a empresa tentando o tempo todo falar: você não é competente, você fez um monte de coisa errada. E o tempo todo as pessoas tendo que responder, mostrando documentos, que aquilo não é verdade. É uma máquina que passa por cima da gente. Ela está passando. Eu tenho medo? Eu tenho. Mas eu não vou parar, eu espero que os empregados da Petrobras. Porque eu tenho certeza que não fui só eu que presenciei, eu espero que os empregados da Petrobras criem coragem e comecem a reagir. Nós temos que fazer isso para poder realmente fazer a nossa empresa ser de volta o que era. A gente tem que ter orgulho, os brasileiros têm que sentir orgulho dessa empresa. Eu vou até o fim, estou convidando vocês para virem também.
A Petrobras voltou a declarar que tomou todas as providências para elucidar os fatos citados por Venina Velosa da Fonseca. Segundo a empresa, não procede a afirmação de que não houve apuração sobre as irregularidades apontadas por Venina porque todas foram encaminhadas às autoridades competentes.
A Petrobras também repetiu que, possivelmente, a funcionária trouxe a público as denúncias porque foi responsabilizada por uma comissão interna. A empresa reafirmou que Graça Foster e José Carlos Cosenza não sabiam de irregularidades e que a presidente da Petrobras só foi informada dessas irregularidades, por Venina da Fonsenca, no dia 20 do mês passado.
O ex-presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, afirmou que nunca foi informado diretamente por Venina da Fonseca sobre a existência de corrupção na empresa. 
A defesa de Paulo Roberto Costa declarou que praticamente todos os aspectos investigados pelo Ministério Público Federal foram mencionados na delação premiada do ex-diretor e que não há como comentar incidentes específicos.
O ex-presidente Lula não quis se pronunciar. E os demais citados na reportagem não foram encontrados.
E em entrevista publicada neste domingo por jornais da América Latina, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o Brasil não vive crise de corrupção.
A afirmação foi feita em resposta a perguntas sobre as denúncias de irregularidades na Petrobras. A presidente disse também que a indignação dela com as denúncias é igual a de todos os brasileiros e que os culpados devem ser punidos. Segundo a presidente, no Brasil não há intocáveis.
    Fonte: Site Oficial do Fantástico Rede Globo  
         malvinas.news@gmail.com        
 

'Princípio é trocar peixe pequeno por grande', diz procurador da Lava-Jato

Malvinas News Nosso portal de notícias
Polícia 


        Princípio é trocar peixe pequeno por grande',
                    diz procurador da Lava-Jato                 
 


     (Foto: Internet)        

Em entrevista ao jornal O Globo deste domingo (21), o procurador Deltan Dallagnol, que encabeça a força-tarefa da Lava-Jato, fez o 1º termo escrito de delação do Brasil, em 2003, com Alberto Youssef. 


Segundo ele, as colaborações usam "uma sardinha para pegar um tubarão". A entrevista completa está no site do O Globo.

Houve mudança no Judiciário brasileiro com relação ao papel da colaboração premiada em investigações de grande repercussão?

O que existiu foi a alteração legislativa, que consagrou uma prática que já existia desde 2004. O primeiro acordo de colaboração escrito e dividido em cláusulas da História do Brasil foi feito exatamente com o (doleiro) Alberto Youssef, em dezembro de 2003, pela então força-tarefa do caso Banestado, em que participamos alguns dos procuradores da Lava-Jato. Foram 17 acordos. Na época, eles (os réus) transferiram para os cofres públicos, como indenização, aproximadamente R$ 30 milhões. Esse valor não foi alcançado em ações criminais propostas em que não houve acordo de colaboração. Ou seja, nossa experiência já mostrava que (a delação) é um ótimo caminho de investigação, que encurta custos judiciais e promove retorno aos cofres públicos.

Teriam chegado aos resultados se não fosse por meio da colaboração?

A gente não teria chegado aos resultados alcançados no caso da força-tarefa anterior, do Banestado, nem nesse caso da Lava-Jato, sem as colaborações. Não tenho dúvidas. Elas alavancaram a investigação.


Como foi feito o primeiro acordo com Alberto Youssef?

Em quase 100% dos casos, a defesa propõe ao MP. Não vamos atrás da pessoa para buscar acordos. Não é só uma técnica de investigação, mas uma escolha da defesa. Quando foi feito o primeiro acordo (do caso Banestado), decidimos fazer na forma de cláusulas. Se você for ver, a situação (do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa) está bem amarrada. Se ele mentir, perde todos os benefícios, e a gente continua podendo usar as provas que ele nos forneceu. Ou seja, acaba sendo um acordo bem mais favorável à sociedade. A gente está numa situação de vulnerabilidade, fazendo acordo com uma pessoa que cometeu um crime. Então precisamos amarrar o acordo para que o interesse da sociedade fique garantido. Dos 12 acordos da Lava-Jato, 10 foram feitos com pessoas soltas.


Houve preocupação na hora em que Youssef quis fazer um novo acordo? Ele violou o primeiro...

Com certeza. Era uma preocupação do procurador-geral da República. Esse acordo só seria feito se fosse muito benéfico para a sociedade. E uma coisa que está no acordo do Costa é uma previsão que já existia antes: a de que, se a pessoa voltar a cometer crime, perde todos os benefícios, tanto que, quando vimos que o Youssef continuava cometendo crimes, o processamos.
              Informações Ceará News 7                          
                malvinas.news@gmail.com                          

Farias Brito­CE: Funcionário público foi encontrado morto com perfurações no tórax

  Malvinas News Nosso portal de notícias  
Polícia

         Funcionário público foi encontrado morto      
         no chão da cozinha de sua casa    
      (Foto: Criação Departamento de Arte Malvinas News)  

Um homem de 34 anos foi encontrado morto em seu apartamento na Rua Imaculada Conceição, 80, Centro de Farias Brito. Ele era funcionário da prefeitura daquele município e teve seu corpo, com várias perfurações à faca, encaminhado à necropsia no Instituto Médico Legal de Juazeiro do Norte.

João Paulo da Silva, 34 anos, foi encontrado no chão da cozinha de sua casa rodeado por poça de seu sangue com várias perfurações à faca na região do tórax. O corpo dele foi encontrado por um amigo. Este relatou a Polícia que João Paulo participou de uma festa na noite anterior, mas não soube informar com quem retornou.

De acordo com a Polícia local, a cozinha da casa onde o corpo foi encontrado estava repleta de objetos quebrados como garrafas e até uma mesa. A cena do crime leva a Polícia a acreditar ter existido uma luta corporal ente João Paulo e seu agressor.



Durante os primeiros levantamentos na tentativa de elucidar o crime, os policiais que atenderam a ocorrência coletaram informações de um homem com calção azul e camisa amarelo em atitude suspeita. Foi feita uma busca no Sítio Escondido, mas ninguém foi capturado até o momento.

            Informações: Marcus Cabral            
                 malvinas.news@gmail.com                  


Ops! Cinegrafista fala palavrão ao vivo no "Jornal da Globo"; confira outras gafes na TV

  Malvinas News Nosso portal de notícias  
Entretenimento/Televisão

Mais uma gafe entrou para a lista do “Jornal da Globo”, na madrugada do último sábado (20).Os apresentadores Christiane Pelajo e William Waack ficaram constrangidos após um cinegrafista da emissora carioca falar um palavrão ao vivo.O deslize aconteceu logo após a jornalista chamar o link com a repórter Carol Barcellos, que iria transmitir a entrega do troféu ao campeão mundial de surf Gabriel Medina.Ao chamarem as primeiras imagens do esportista, sem se dar conta de que estava ao vivo, o cinegrafista soltou: "sai da frente car****".As imagens continuaram sendo mostradas sem cortes e na volta os apresentadores não comentaram sobre a gafe.Entretanto, o assunto foi parar nas redes sociais e os internautas não perdoaram o deslize do funcionário."’Jornal da Globo’. Ao vivo, sobre título de Gabriel Medina - Escapa o áudio: ‘Sai da frente car****. Que gafe", escreveu um seguidor. "Nossa...no ao vivo do Havaí no ‘Jornal da Globo’, o câmera soltou um sai da frente car****", enfatizou outro usuário do Twitter.
  Cinegrafista fala palavrão ao vivo no Jornal da Globo
       (Foto: Divulgação Globo)        
Mais uma gafe entrou para a lista do “Jornal da Globo”, na madrugada do último sábado (20). Os apresentadores Christiane Pelajo e William Waack ficaram constrangidos após um cinegrafista da emissora carioca falar um palavrão ao vivo.
O deslize aconteceu logo após a jornalista chamar o link com a repórter Carol Barcellos, que iria transmitir a entrega do troféu ao campeão mundial de surf Gabriel Medina. Ao chamarem as primeiras imagens do esportista, sem se dar conta de que estava ao vivo, o cinegrafista soltou: "sai da frente car****".
As imagens continuaram sendo mostradas sem cortes e na volta os apresentadores não comentaram sobre a gafe. Entretanto, o assunto foi parar nas redes sociais e os internautas não perdoaram o deslize do funcionário.
"’Jornal da Globo’. Ao vivo, sobre título de Gabriel Medina - Escapa o áudio: ‘Sai da frente car****. Que gafe", escreveu um seguidor. "Nossa...no ao vivo do Havaí no ‘Jornal da Globo’, o câmera soltou um sai da frente car****", enfatizou outro usuário do Twitter.
malvinas.news@gmail.com

Pesquisa aponta 51 milhões de usuários de smartphones no Brasil

        Malvinas News Nosso portal de notícias       
Tecnologia 

 Pesquisa aponta 51 milhões de usuários de smartphones no Brasil
  (Foto: Internet)   
Uma nova pesquisa divulgada nesta semana aponta que já são mais de 50 milhões de pessoas que usam smartphones com acesso à internet, ou seja, aproximadamente 35% da base de usuários de celular. A classe C já representa mais de um terço do total de usuários. 36% desses usuários usam o smartphone como principal acesso à internet quando estão em casa. 
Esse e outros dados foram mais uma vez desvendados pela minuciosa pesquisa realizada pela Mobile Marketing Association – entidade global com mais de 800 membros em todo o mundo, líder no desenvolvimento do mercado mobile – em parceria com a Nielsen Ibope.
A pesquisa é contínua e atualizada a cada seis meses. No comparativo deste semestre com o primeiro, o crescimento e o comportamento do consumidor de smartphones seguem surpreendendo. “Com a pesquisa sempre mais detalhada e aprimorada graças à participação de todos nossos associados, fornecemos insights importantes para marcas e agências que ajudarão  a aprimorar e mensurar o investimento em campanhas mobile”, diz Fabiano Destri Lobo, diretor da MMA Latam.
Vídeos, Candy Crush, Whatsapp, bancos e música
A pesquisa também aponta que o sistema Android subiu para 78% do mercado, enquanto iOS manteve-se estável. Muitos fabricantes de Android têm feito parcerias diretas com o varejo e assim, atingem a massa.
81% dos usuários acessam redes sociais pelo celular. 51% já consomem vídeos. O aumento do acesso a vídeos se deu pelo aumento da rede 4G. Entre os apps de social, o Whatsapp aumentou ainda mais a penetração atingindo 70% dos usuários. Entre os games, Candy Crush ainda lidera com 18% do total.
Três bancos estão entre os vinte aplicativos mais usados no Brasil. O app do Banco do Brasil é o primeiro das instituições financeiras no celular, com 16%. Música também está em alta, com 65% dos usuários de smartphones baixando apps de música em seus aparelhos.
Sobre a MMA
 A Mobile Marketing Association (MMA) é a Associação global que tem como objetivo fomentar o crescimento do Marketing Mobile no mundo e suas tecnologias. A MMA quer derrubar os obstáculos para o desenvolvimento desse mercado, estabelecer orientações e melhores práticas para mídias mobile, educando o mercado para o uso dos canais móveis. 

Os mais de 700 membros representam mais de 40 países ao redor do mundo. Entre os membros da MMA estão American Express, Ad China, Colgate-Palmolive, Dunkin’ Brands, Facebook, Google, Group M, Hewlett Packard, Hilton Worldwide, Kellogg Co., L’Oreal, MasterCard, McDonalds, Microsoft, Mondelēz International, Inc., Pandora Media, Procter & Gamble, R/GA, The Coca-Cola Company, The WeatherCompany, Unilever, Visa, Vodafone, Walmart, xAd, Zenith Optimedia e muitos outros. O escritório central e global da MMA está localizado em Nova York com operações regionais na Europa/Oriente Médio/África (EMEA), América Latina (LATAM) e Asia Pacific (APAC). www.mmaglobal.com.
malvinas.news@gmail.com

Diretor executivo da Queiroz Galvão teve 13º de R$ 95 mil bloqueado

       Malvinas News Nosso portal de notícias       
Polícia


O diretor-executivo da Queiroz Galvão, Othon Zanoide de Moraes Filho, preso na Operação Lava-Jato, teve bloqueada até mesmo a primeira parcela do 13º salário, informa a edição deste domingo (21) do jornal O Globo.

Os advogados de Zanoide apresentaram um contra-cheque emitido pela construtora, no valor de quase R$ 95 mil, para pedir a liberação do dinheiro. Eles argumentam que o juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso, afirmou no despacho de bloqueio que liberaria os salários.

No entanto, os procuradores querem provas de que o dinheiro é necessário à alimentação.
Informações: Ceará news 7
malvinas.news@gmail.com

sábado, 20 de dezembro de 2014

“Não foi um governo péssimo”, diz Tasso sobre Cid Gomes

 Malvinas News Nosso portal de notícias 
Política

           Tasso Jereissati e Camilo Santana,            
          Durante a Cerimonia de Diplomação              
                   (Foto: Rodrigo Carvalho)                      


Passado o acirramento das eleições e, agora, em clima de festa com o diploma de senador eleito nas mãos, Tasso Jereissati (PSDB) usou tom menos ríspido para se referir ao governador Cid Gomes (Pros), que se despede do cargo daqui a 11 dias. Tasso – que, em junho deste ano, chegou a dizer que a atual gestão estadual é um retrocesso ao modelo dos coronéis – sustentou as críticas ao ex-aliado, mas amenizou ao avaliar que Cid não fez um péssimo governo.



“Não foi um governo péssimo, não foi. Mas eu tenho uma visão diferente. O Cid tem uma visão muito construtivista, da obra, da construção. E eu acho que a gente tem que olhar mais para a consequência, de como fazer essa obra funcionar, como valorizar o homem, mais do que a obra em si”, avaliou o tucano na noite de ontem, em entrevista na solenidade de diplomação dos candidatos eleitos. Embora tenha sido convidado, Cid não compareceu ao evento. Mas Tasso teve um reencontro com o irmão do governador, Ciro Gomes (Pros), outro ex-aliado com quem o senador tinha fortes laços pessoais e políticos, rompidos em 2010 por falta de acordo para a disputa eleitoral. Ao avistar Ciro no evento, Tasso deixou a área reservada para autoridades e foi cumprimentá-lo. Os dois trocaram sorrisos e um longo aperto de mão. “Tá velho, né? Cheio de cabelo branco”, brincou Tasso. “O tempo passa…”, respondeu Ciro. 



Oposição federal O senador eleito disse que não existe “nenhuma inimizade” com o clã Ferreira Gomes, mas explicou que não há mais relação de proximidade com os irmãos. Tasso mudou o tom, no entanto, quando questionado sobre o cenário nacional. “Eu fico envergonhado, é uma desmoralização total. Só tem um jeito: fazer uma limpa nisso tudo”, afirmou, questionado sobre a lista dos 28 políticos citados pelo primeiro delator da Operação Lava-Jato, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. 
Fonte: Ceará em Revista
malvinas.news@gmail.com




Jaguaribara­ CE: Mulher foi morta a tiros em salão de beleza

       Malvinas News Nosso portal de notícias     
Polícia

           Mulher foi morta em salão de beleza    
             (Foto: Richard Lopes)           
Uma mulher foi morta a tiros no início da tarde desta sexta feira (19) em um salão de beleza da Avenida Manoel Rodrigues Pinheiro, Centro de Jaguaribara.

Ana Célia da Silva Lima, 25 anos, morava na Rua José Parente e estava no “Salão de Beleza da Andressa”, no Centro de Jaguaribara, quando foi morta com pelo menos cinco disparos de arma de fogo por um homem que chegou ao local anunciando um assalto.


A Polícia de Jaguaribara investiga o caso desde quanto esteve no local coletando depoimentos de testemunhas. Um ex ­ companheiro de Célia, conhecido como Marciano, foi morto há cerca de um ano o atual namorado dela está preso por tráfico de drogas, o que leva a hipótese de que ela foi assassinada em acerto de contas.
Richard Lopes
malvinas.news@gmail.com



Google +

DEIXE SEU RECADO

Horóscopo do Dia

Faça seus Comentários


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


QUANTOS DIAS FALTAM PARA AS ELEIÇÕES DE 2016?

CONTAGEM REGRESSIVA PARA 2015

Malvinas News Nosso portal de notícias





Parceiros

Loading...

VILAS UNIDAS

Programação Completa

Programação Completa
Realização: Associação doa Moradores,COMID, Comissão Administrativa da Capela de Nossa Senhora Aparecida - Apoio: Prefeitura Municipal de Barbalha, paróquia de São Vicente de Paulo, Amigos Virtuais Comunicação Visual e Malvinas News no AR

Fazer login

Facebook

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

Novíssimo

COMUNICADO

LOGO

LOGO

Brasil


Brasil - Graphics, Graficos e Glitters Para Orkut

Confira mais gráficos para Brasil em ScrapsWEB.com.br

ÍOGO

ÍOGO

Estamos aqui

APRESENTAÇÃO

DATA DE CRIAÇAO

Postagens populares

Siga no Facebook

Windows Live Messenger + Facebook

Pesquisar este blog

Carregando...

Estamos no Twiter

Loading...